Coordenadoria da Infância e da Juventude leva Projeto ECA, Escola e Família à Escola Municipal em JP

19 Set 2019

Por: TJPB
Foto: TJPB

Alunos, pais e professores da Escola Municipal de Ensino Fundamental Aruanda, localizada nos Bancários, tiveram, na manhã desta quarta-feira (18), uma palestra ministrada pelo gestor da Coordenadoria Estadual da Infância e da Juventude (Coinju) e vice-presidente do Colégio de Coordenadores da Infância e Juventude dos Tribunais de Justiça do Brasil, juiz Adhailton Lacet Porto, dentro do Projeto “ECA, Escola e Família”. Na ocasião, o magistrado abordou a importância da frequência escolar, acompanhamento, direitos e deveres do público infantojuvenil e dos seus responsáveis.

O projeto é desenvolvido pelo magistrado com o apoio da Coinju e tem o objetivo de visitar todas as escolas públicas e privadas de João Pessoa para orientar, esclarecer e ouvir os questionamentos tanto dos pais ou responsáveis dos alunos, quanto da direção e professores das instituições de ensino. Temas como evasão escolar, bullying, abuso e exploração sexual, drogas, direitos e deveres, acompanhamento das tarefas escolares e tudo o que diz respeito ao universo infantojuvenil são abordados durante as visitas.

 

De acordo com Adhailton Lacet, a atividade faz parte do dia a dia do juiz da Infância e da Juventude. “O magistrado não pode se limitar, apenas, a prolatar decisões e sentenças em seu gabinete, mas deve conhecer, com mais profundidade, a situação das crianças e adolescentes em fase escolar. Percebemos que essa visita era muito desejada, tanto pela direção da escola, como pelos pais dos alunos”, destacou, acrescentando que muitos dos presentes nunca tiveram a oportunidade de conversar com um juiz.

Para as visitas, o juiz vai acompanhado de profissionais das áreas de Serviço Social, Pedagogia e Psicologia, além de conselheiros tutelares. O encontro desta quarta também contou com a participação da conselheira tutelar Verônica Silva de Oliveira, responsável pela Região Mangabeira. “É muito importante a presença de um juiz nas escolas, pois a sensibilidade e a dedicação de um magistrado como Dr. Adhailton pode fazer a diferença. Seria muito bom que outros juízes seguissem seu exemplo”, frisou. As visitas seguirão durante o mês de novembro.