Vara da Infância e da Juventude de Campina Grande realiza curso para pretendentes à adoção

30 Out 2019

Por: TJPB
Foto: TJPB

A Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Campina Grande promoveu um curso para candidatos à adoção na sede local da Escola Superior da Magistratura (Esma). A formação é uma das etapas necessárias para que o pretendente à adoção esteja devidamente habilitado. O curso, que contou com a presença da equipe multidisciplinar da unidade judiciária, da promotora de justiça Elaine Cristina Pereira Alencar e do juiz auxiliar da Vara Hugo Gomes Zaher, atendeu, também, os pretendentes das cidades circunvizinhas.

“A formação é realizada semestralmente e são abordados os aspectos históricos, sociais, psicológicos e jurídicos que envolvem o processo de adoção”, informou o magistrado Hugo Zaher.
 
A analista judiciária integrante da equipe multidisciplinar do Juízo da Infância e da Juventude, pedagoga Qesia Braga Fernandes, disse que foram dois dias de aprendizado mútuo e esclarecimentos acerca do processo de adoção. “Fizemos algumas dinâmicas com os postulantes, que puderam expor suas expectativas sobre a adoção em si e sobre o processo necessário para consegui-la”, esclareceu.

 

A pedagoga destacou que uma grande parte das crianças e adolescentes suscetíveis à adoção não são buscadas pelos postulantes, ponto este, enaltecido no curso. “Suscitamos a importância da adoção necessária, destinada a crianças com idade que fogem ao perfil que a maioria quer adotar. Desmistificamos muitos tabus que envolvem esse tipo de adoção e destacamos o quanto é importante para essas crianças e adolescentes que esperam um lar, uma família, terem a esperança de alcançar esse intento”, ressaltou.

Após a realização do curso, será feito um estudo de campo junto aos postulantes, a fim de identificar o perfil e a aptidão dos candidatos para a adoção. Em seguida, será realizado um relatório da pesquisa, a fim de fomentar a decisão do juiz no deferimento da habilitação que, sendo positiva, encaminhará o nome do postulante para o Sistema Nacional de Adoção (SNA), bem como no cadastro local, culminado no cruzamento das informações que demonstrem a compatibilidade dos pais e da criança ou do adolescente.

 

No curso, foram expostas, ainda, histórias de famílias adotantes que contaram suas experiências, inspirando os demais participantes. O empresário Humberto Simplício e sua esposa Ysziris de Souza estão se habilitando pela segunda vez no processo de adoção e estimularam ainda a irmã de Ysziris, que também vai participar do processo para adotar uma criança. 

O empresário narrou a sua experiência: “Conheci minha esposa após um acidente, estava internado no hospital e ela era enfermeira. Por causa do acidente, me disseram que eu não poderia mais ter filhos, foi quando resolvemos entrar na fila de adoção. No meio do processo, minha esposa engravidou e não achávamos justo com os pais que queriam adotar, permanecermos na fila, então resolvemos desistir do processo e dar a oportunidade a outros pretendentes. Durante a gravidez da minha esposa, descobri um câncer na bexiga, precisei retirar a próstata e parte da bexiga. Meu filho nasceu, teve um problema de saúde e faleceu com dois meses. Mesmo não podendo mais ter filhos biologicamente, devido ao câncer, do qual hoje estou curado, não perdemos a esperança de sermos pais e, por isso, resolvemos entrar novamente na fila de adoção, tendo a certeza de que tem uma criança esperando pelo nosso acolhimento e amor”, relatou o postulante.